Legal Design: O que é, para quê serve e como utilizá-lo!

fotografia de pessoas usando livro e notebook
imagem de mulhe sorrindo  com tablet
Via: freepik

Nas últimas décadas, experimentamos transformações radicais em nossa sociedade que estabeleceram uma nova forma de pensar e agir. De certa forma, essa novidade se associa principalmente ao uso das ferramentas digitais e da internet.

Com as mudanças no sistema, o mundo jurídico também mudou e uma das provas disso é o surgimento do Legal Design.

Essa ferramenta busca solucionar um claro problema da contemporaneidade, que é a busca pela acessibilidade na linguagem, sobretudo no meio jurídico.

Afinal, vamos combinar que nem sempre aquilo que um trâmite judicial exprime é de fácil compreensão para quem conhece pouco do assunto.

Entretanto, é preciso investir para fazer com que esses conteúdos se tornem cada vez mais acessíveis e palatáveis ao entendimento da audiência.

Inclusive, essa preocupação com a audiência é um ponto muito importante e que todo profissional da área do direito precisa ter.

Isso porque o Direito precisa ser acessível para ser efetivo e precisa ser descomplicado e menos burocrático para que mais pessoas o busquem como alternativa.

Nesse sentido, compreender o que é o Legal Design será virar uma chave na vida de quem está em busca de otimizar os processos, desburocratizar o direito e também conseguir engajar mais pessoas.

Inclusive, se o que você busca é justamente agilizar a sua vida em suas funções de trabalho, saiba que é possível contar com a Jurídico Ágil. Afinal, somos especialistas em elaborar técnicas que aumentam a eficiência e qualidade de vida nos times jurídicos. 

Para saber mais sobre o nosso trabalho, acesse o site e entre em contato conosco!

Até aqui nós já conseguimos compreender que o Legal Design é uma ferramenta que busca trazer mais acessibilidade dos conteúdos jurídicos para as pessoas. Mas como, exatamente, essa ferramenta irá funcionar? 

Para responder a essa pergunta será preciso dar um passo atrás e buscar definir aquilo que é o Legal Design.

No caso, o termo Legal Design foi apresentado ao mundo por meio da Professora Margaret Haga, da Universidade de Stanford. Inclusive, Margaret fundou na mesma universidade um laboratório para estudos relacionados ao tema, que é o Legal Design Lab.

Resumidamente, esse termo vai incorporar o objetivo de transformar o conteúdo jurídico, geralmente burocrático, de forma a deixá-lo mais acessível. Isso será feito por meio do uso de técnicas de design gráfico, como o uso correto de cores, infográficos, ilustrações, ícones, imagens e muito mais.

Trata-se, portanto, de uma forma de usar o aspecto visual desses conteúdos muito mais atraente para a audiência. 

Ademais, existe nessa técnica também a intenção de fazer do Direito uma ferramenta muito menos burocrática, de forma a adequar os conteúdos a uma ótica mais criativa e livre.

Por meio do Legal Design, profissionais do âmbito jurídico de todo o mundo podem dar uma nova roupagem ao seu trabalho, tornando-o mais próximo de seus clientes. Isso é uma verdadeira revolução, já que por muito tempo todos viam o direito como uma área bastante inacessível e distante.

Dessa forma, mesmo sendo uma técnica atual, o Legal Design já conquistou um status de habilidade técnica relevante para o mercado de trabalho. Ao aprender sobre, o profissional do direito poderá desenvolver uma nova aptidão, que é muito útil à tarefa de gerir um negócio jurídico.

Saiba mais: Metodologia ágil: o que é e quais suas vantagens para o mundo jurídico

Está cada vez mais comum encontrar profissionais do direito que escolhem o Legal Design como ferramenta para o seu negócio. Isso é uma prova do quanto é possível avançar no mercado, de forma a gerar vantagem competitiva, por meio do Legal Design.

Isso porque cada vez mais o mundo entra em uma dinâmica virtual, com a maioria dos processos decisórios acontecendo por meio da internet. Inclusive, essa transformação não está apenas restrita ao mundo cibernético, afinal, todo o mundo ganhou novas formas de se comunicar depois do advento da internet.

Nesse sentido, quem não se adapta a essa nova realidade pode ficar em desvantagem no mercado e não conseguir avançar de forma significativa. Sobretudo quando se fala de direito, é preciso ter em mente que o diálogo com as diversas áreas da sociedade é imprescindível, de modo que a atualização é muito importante.

Homem de terno sentado olhando celular
via: freepik

O que é Visual Law?

Outro conceito que precisamos compreender quando falamos de Legal Design, é o conceito de Visual Law, que é em português seria algo como “Direito Visual”. Na verdade, o segundo conceito é uma subcategoria do primeiro, de modo que é muito comum vermos ambas as áreas andando juntas.

Ademais, trata-se de dois conceitos que se interligam o tempo todo, já que trabalham para um mesmo objetivo: tornar o direito menos burocrático e mais acessível. No caso, a Visual Law vai trabalhar diretamente com informações jurídicas para a audiência leiga, visto que essa possui grandes dificuldades em compreender a totalidade dos instrumentos jurídicos.

Por exemplo, quem nunca ouviu falar de uma pessoa, ou até mesmo foi essa pessoa, que assinou um contrato sem ter tido total compreensão do que estava se tratando? Esse é um exemplo explícito de problema de compreensão na área do Direito que precisa ser superada, afinal pode trazer muitos prejuízos para as pessoas. 

Dessa forma, a Visual Law vai trabalhar bem mais com esse tipo de material: contratos, petições, sentenças e tudo mais, com o objetivo de fazer com que qualquer pessoa compreenda o material. Para isso, vai utilizar recursos do design, como as cores, os infográficos e gráficos, fluxogramas e muito mais.

Ademais, por meio dele também será possível minimizar aquele “juridiquês” que tanto complica as pessoas. Ao utilizar essas técnicas, advogados e profissionais do direito do mundo todo conseguiram experimentar uma transformação na receptividade do seu trabalho, sendo esse o motivo pelo qual cada vez mais se vê trabalhos de Visual Law.

Mas para além das técnicas de Visual Law e Legal Design, podemos encontrar uma série de outras tecnologias de gestão de negócios jurídicos à disposição dos profissionais. Por meio delas, podemos otimizar todos os processos e obter resultados impressionantes em termos de vantagem competitiva.

Caso você possua interesse em transformar o seu negócio de forma efetiva, então conheça o trabalho da Jurídico Ágil. Somos especialistas em aumentar a eficiência dos times jurídicos por meio das Metodologias Ágeis. Para saber mais, acesse nosso site e entre em contato conosco!

Imagem cartunizada de homem segurando martelo
via: freepik

Uma das grandes dificuldades de quem trabalha com o mundo jurídico é gerar aproximação com os seus clientes. 

Para isso, o Legal Design é fundamental, já que com ele é possível demonstrar que existe preocupação do profissional para com o cliente, o que por sua vez já desmente algumas afirmações.

Ademais, o Legal Design também é grande responsável por atrair novos clientes e de conversar com um público que ainda está em processo de decisão se deve contratar ou não um serviço jurídico.

Isso porque as ferramentas do design também são importantes formas de gerar decisão de compra e contratação, como iremos mencionar no tópico a seguir.

Confira também: Saúde mental no trabalho: saiba a importância e como promover

Comunique o seu serviço a partir do design

Como mencionamos no tópico anterior, o design tem importante participação na hora de gerar decisão de compra. Justamente por isso tanto se investe em modelos de design que converse com os interesses do público-alvo.

No caso, o primeiro passo será atrair a atenção das pessoas, que é uma tarefa que está ficando mais difícil. Isso porque existe uma quantidade enorme de anúncios em todos os ambientes, físicos e virtuais, que competem pela atenção dos consumidores.

Nesse sentido, um bom design consegue trazer despertar curiosidade a quem vê, seja por meio das cores, das imagens, fontes e afins. A partir desse momento de interesse inicial, o conteúdo será lido e poderá gerar algum impacto no sentido à decisão de compra.

Ademais, pense como o design consegue comunicar uma identidade visual que se propõe a falar do seu negócio. Por exemplo, ao acessar um site que não possua nenhum tipo de organização, o potencial cliente entenderá que o serviço é tão desorganizado quanto o design. Da mesma forma, o contrário também pode ser dito.

Assim, um bom design é mais do que pura estratégia chamativa, mas sim um cartão de apresentação para novos clientes. Logo, não deixe de recorrer a ele na hora de investir no aperfeiçoamento do seu trabalho no setor jurídico.

São diversos os caminhos de aplicação do Legal Design em seu serviço, por isso vamos listar algumas que são básicas, porém bastante eficientes. 

Por exemplo, você pode iniciar pela mudança nas estruturas de contratos, de modo a torná-los mais acessíveis, e por acessíveis queremos dizer: 

  • Uso de palavras e sentenças mais fáceis;
  • Organização visual do contrato que facilite a leitura;
  • Uso de sinalizações, símbolos e ícones para chamar atenção para algum tópico.

Além disso, também é possível recorrer a softwares jurídicos que são capazes de otimizar as tarefas da empresa. Dessa forma será possível eliminar a desorganização e trazer melhores resultados no atendimento ao público. 

Afinal, o Legal Design não se preocupa apenas com questões visuais da empresa jurídica.

Por fim, considere essa técnica apenas como um passo inicial para uma gestão eficiente em sua empresa. Para compreender mais de estratégias que agilizem o seu trabalho, conheça um pouco mais sobre o trabalho da Jurídico Ágil

Nosso maior propósito é aumentar a eficiência e melhorar a qualidade de vida dos times jurídicos.

imagem de martelo de juiz
via: freepik

Fique de olho nas tendências digitais na área jurídica

O Direito não passou ileso às transformações do mundo contemporâneo no que diz respeito à virtualização. Pelo contrário, cada vez mais surgem novas tendências que buscam agregar a internet e o meio jurídico. 

Por exemplo, podemos citar o aumento significativo de conteúdos sobre direitos, e uma espécie de consulta jurídica, nas redes sociais.

Além disso, o próprio mundo virtual já traz consigo uma série de novas demandas para o mundo do direito, o que exige novos estudos. Como é o caso da necessidade de especialização na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e processos envolvendo direito de imagem e afins. 

Fique por dentro: As 12 competências de um futuro líder

Lista de Tendências Jurídicas

Se o que você busca é aprimorar cada vez mais o seu negócio no mundo jurídico por meio do mundo digital, será preciso compreender quais as principais tendências presentes no encontro desses dois setores. 

Confira a seguir algumas das tendências:

  • Trabalho Remoto: Não são poucas as empresas que decidiram se aventurar pelo trabalho remoto por diversos motivos, como a flexibilização das rotinas;
  • Compliance: Para recuperar a confiança das pessoas nas instituições públicas e privadas é preciso contar com sistemas de compliance que tornem a empresa mais transparente e confiável;
  • LawTechs: São startups na área do direito aplicam tecnologia e inovação para apoiar os escritórios e departamentos jurídicos. Ademais, as Lawtechs revolucionam ao buscar diminuir a burocracia no mundo jurídico;
  • Trabalho freelancer: Cada vez mais aumenta o número de profissionais da área do direito que preferem trabalhar sem vínculos empregatícios. Por exemplo, podemos citar os correspondentes jurídicos, que buscam trazer soluções para processos livre de burocracias;
  • Cibersegurança: A proteção de dados, o direito à privacidade na internet e o Direito Digital estão em constante expansão com a era digital;
  • Criptomoedas: Um novo formato de fazer dinheiro surgiu, o que fez com que novas demandas apareçam aos profissionais do direito!

O trabalho remoto está cada vez mais presente no mundo jurídico

Como já mencionamos, muitos escritórios e empresas grandes abraçaram o modelo de trabalho remoto pelos seus benefícios econômicos e de gestão ou mesmo porque se viu diante de uma enorme necessidade advinda dos seus funcionários. Por isso, é preciso que o líder que busque gerar melhores resultados esteja ciente do uso estratégico desse modo de trabalho.

Nesse sentido, pensar em uma plataforma digital, como o programa que se utilizará para fazer a gestão e ordenar as demandas, é imprescindível. Neste ponto o Legal Design também contribui bastante, gerando melhor organização visual que beneficiará clientes e trabalhadores. 

Martelo de juiz em filtro preto e branco
via: freepik

Conclusão

Agora que você já entende bastante sobre o Legal Design, seus benefícios e contribuições para o mundo jurídico, é o momento de pensar na sua função enquanto profissional de direito. Ou seja, como o Legal Design pode ajudar diretamente a você? Ao longo do texto nós demos alguns exemplos, mas são diversas as oportunidades.De qualquer forma, saiba que pensar em gestão e otimização de trabalhos no meio jurídico é pensar na Jurídico Ágil! Nós possuímos a experiência e qualidade que você busca para aumentar a performance de times jurídicos. Portanto, não deixe de acessar o nosso site e entrar em contato conosco!

RECEBA NOVIDADES!

Cadastra-se e receba novos conteúdos exclusivos da Jurídico Ágil por e-mail.

Leia também...

Sumário

Olá. Posso ajudar?